Pesquisar

Sapata corrida: entenda o que é e quais são os tipos de fundações!

Entenda o que é a fundação sapata corrida e quais são os tipos!

É possível fazer a sapata corrida em concreto armado, simples, solocimento ou canaletas. São elementos estruturais que se encontram na base da edificação, podendo ser abaixo do solo ou na superfície.

Primeiramente, ela é usada em construções para distribuir o peso da estrutura de maneira uniforme sobre o terreno. Esse tipo de fundação é empregada comumente em edifícios de pequeno e médio porte. 

Ela é muito importante para os projetos da construção civil. Por isso, preparamos um material abordando a definição, aplicações e características distintas para promover uma compreensão clara e informada. Acompanhe!   

O que é a sapata corrida?

É uma estrutura contínua de concreto armado localizada abaixo das paredes, assim o peso da construção é distribuído de maneira linear pelo solo. O topo da sapata corrida pode ser reto ou piramidal.

Há quatro tipos de sapatas utilizadas em uma obra:

Sapata corrida

A sapata corrida é um tipo de fundação contínua que recebe a carga de paredes e se apoia diretamente no terreno. Constituída por camadas de concreto magro, a sapata corrida com blocos de concreto tem dimensões que dependem do porte da obra. 

Sapata isolada

Um dos tipos mais comuns de fundações superficiais. É uma base de concreto armado que suporta individualmente um pilar ou coluna da estrutura. Afinal, cada pilar tem a sua própria sapata isolada, e essas fundações são distribuídas independentemente, geralmente nos pontos de carga concentrada. Usa-se em edifícios de pequeno e médio porte.

Sapata associada

É uma combinação de duas ou mais sapatas isoladas, frequentemente usadas quando pilares ou colunas são muito próximos entre si. Esse tipo de fundação é projetado para distribuir as cargas eficientemente em situações em que as sapatas isoladas individuais não seriam adequadas. 

Sapata com viga de equilíbrio

Inclui uma viga conectando duas ou mais sapatas isoladas. Além disso, essa viga, conhecida também como viga de equilíbrio, ajuda a distribuir as cargas entre as sapatas, proporcionando uma maior estabilidade à estrutura. 

Utilizada quando há necessidade de aumentar a capacidade de carga ou quando as sapatas estão localizadas em níveis diferentes do solo.

Como escolher a sapata para a sua obra?

A escolha entre esses tipos de sapata depende das características do solo, da disposição das colunas, das cargas da estrutura e de outros aspectos específicos do projeto. Além disso, cada tipo tem as suas vantagens e limitações.

O foco deste artigo são as sapatas corridas, vamos entender mais sobre as suas características, vantagens e muito mais! Confira no texto a seguir. 

Quais são as vantagens da sapata corrida?

A sapata corrida apresenta muitas vantagens que a tornam uma escolha viável para diversos projetos da construção. Entre os principais benefícios associados a esse tipo de fundação, podemos destacar, por exemplo: 

  1. Simplicidade na execução

Uma das principais vantagens da sapata corrida é a simplicidade de execução. Afinal, não exige equipamentos especiais, como os usados no cravamento de estacas, tornando o processo de construção acessível e econômico. 

  1. Adaptação a solos estáveis

A sapata corrida é especialmente eficiente em solos estáveis, onde pode distribuir as cargas de maneira uniforme. Em áreas onde o solo tem boa capacidade de suporte, ela é uma opção muito eficiente. 

  1. Adequação a pequenas e médias construções

Usa-se esse tipo de fundação em edificações de pequeno e médio porte, proporcionando uma base sólida para os edifícios residenciais, casas e estruturas similares. 

  1. Baixo custo

Certamente, a simplicidade da execução muitas vezes se traduz em custos mais baixos em comparação com outras alternativas. Afinal, isso pode ser um aspecto importante a se considerar em projetos de orçamento limitado. 

  1. Integração com alvenaria estrutural

A sapata corrida é compatível com o sistema construtivo de alvenaria estrutural, sendo frequentemente usada nesse contexto. Além disso, ela fornece uma base contínua que se alinha muito bem com as exigências desse modelo de construção. 

  1. Facilidade de inspeção e manutenção

Devido à sua configuração contínua, a sapata corrida facilita a inspeção visual e a realização de possíveis trabalhos de manutenção. Afinal, isso ajuda na longevidade e durabilidade da fundação. 

Quando usar a sapata corrida?

Normalmente, a sapata corrida é usada em edifícios de pequeno porte, principalmente aqueles situados em solo considerados estáveis. Esse tipo de fundação é comumente utilizado em construções que adotam o sistema de alvenaria estrutural. 

Também é comum encontrá-la em projetos que envolvem a construção de paredes de reservatórios, muros e piscinas.  

Passo a passo para fazer a sapata corrida 

Fazer a sapata corrida em uma construção requer conhecimento. E é fundamental saber como e quais os materiais mais importantes para a sua realização. 

1° passo: preparação da vala e montagem da armadura

O processo começa com a abertura da vala cuja largura é 20 cm maior que a espessura das paredes projetadas. A largura total da vala deve se situar entre 40 centímetros a um metro. Em terrenos inclinados, é necessário escalar a vala em degraus, respeitando uma inclinação imaginária de 10%. 

Depois da escavação, é fundamental compactar e nivelar o fundo da vala. Crava-se piquetes ao longo da extensão da vala, utilizando-os como guia para o lastro de concreto. Simultaneamente, monta-se a armadura, amarrando estribos em barras horizontais conforme as especificações do projetista. Prepara-se as fôrmas da sapata com tábuas, desmoldante e sarrafos.

2° passo: concretagem e cura única

Com a armadura posicionada na vala, se inicia a concretagem, adensando bem o concreto a cada lançamento. Para eliminar bolhas de ar, utiliza-se um vibrador, e alisa-se a superfície com uma colher de pedreiro. O processo de cura úmida do concreto dura três dias, com a manutenção constante da unidade por meio de duas molhas diárias, principalmente em climas secos e quentes. 

3° passo: alvenaria de embasamento e impermeabilização

Depois de 24 horas da concretagem, a alvenaria de embasamento pode começar. Assenta-se os blocos de concreto sobre a sapata com argamassa de assentamento, e verifica-se os cantos utilizando um nível ou mangueira transparente.

Após três dias, retira-se as fôrmas e realiza-se uma cinta de amarração na última fiada da alvenaria de embasamento, antes de construir a parede do edifício. Por fim, é fundamental realizar a impermeabilização do baldrame para garantir que a fundação vai durar. 

Já conhecia a sapata corrida?

Agora que já sabe o que é a sapata corrida, quais são as vantagens e um passo a passo para fazê-la, nos próximos projetos, você poderá tomar uma decisão mais embasada em relação à fundação que irá escolher. 

Se gostou desse conteúdo, acompanhe o blog do Obra Prima e para ficar por dentro das novidades, siga a nossa conta no Instagram

Experimente o sistema Obra Prima!

Conheça o software que vai ajudar você a organizar as suas obras e conquistar mais clientes!

Receba conteúdos exclusivos sobre Construção Civil

Fique por dentro de tudo o que acontece na Construção Civil com a melhor newsletter do setor.