Pesquisar

Diagrama de Ishikawa: o que é e como aplicar na sua gestão

Diagrama de Ishikawa: Descubra o poder dessa ferramenta para analisar possíveis causas de problemas ou desafios na gestão de obras!
Diagrama de Ishikawa o que é e como aplicar na sua gestão
Diagrama de Ishikawa o que é e como aplicar na sua gestão

Sabe o que é o Diagrama de Ishikawa? Descubra o poder dessa ferramenta para analisar possíveis causas de problemas ou desafios na gestão de obras!

Conhecido também como Diagrama de Espinha de Peixe ou Diagrama de Causa e Efeito, foi criado em 1943 pelo engenheiro químico Kaoru Ishikawa. Essa é uma ferramenta de qualidade que visa oferecer uma visão ampla em relação às questões que precisam ser consideradas para se atingir um resultado desejado e evitar falhar em processos internos de uma organização. 

Em outras palavras, o Diagrama de Ishikawa ajuda em análises de problemas e na identificação de suas possíveis causas. Além disso, pode ser usada por qualquer colaborador, desde alguém que trabalha na diretoria ou na operação. 

O desenho do Diagrama de Ishikawa lembra a espinha de um peixe, em que as suas costelas representam as causas de situações específicas detalhadas, com o resultado aparecendo na cabeça do esqueleto. 

Esse é um instrumento crucial para garantir a eficiência e qualidade na entrega de serviços e produtos, principalmente para a construção civil. Por isso, você precisa entender como ela funciona para otimizar as tomadas de decisões e processos internos na sua empresa. 

O que é o Diagrama de Ishikawa?

Esse diagrama de Causa e Efeito é uma ferramenta de qualidade visual que é muito utilizada para ajudar as organizações dos times. Afinal, sua representação gráfica auxilia a equipe na solução de causas dos problemas que podem estar afetando e diminuindo a produtividade da empresa. 

Mesmo em obras em que os erros e imprevistos podem acontecer, o Diagrama de Espinha de Peixe permite que a empresa esteja pronta para lidar com os desafios. Esse instrumento funciona investigando as causas-raiz dos problemas, assim a organização avalia possíveis hipóteses, testa e analisa cada uma até encontrar a sua origem, para ser capaz de resolver

Portanto, o Diagrama de Ishikawa é uma solução eficaz e prática para otimizar a qualidade dos processos internos e alcançar o sucesso, assegurando que os projetos sejam entregues dentro do prazo e orçamento e atendam as expectativas dos clientes. 

Como funciona o Diagrama Espinha de Peixe?

O Diagrama de Ishikawa funciona com seis M’s: método, medida, meio ambiente, mão de obra, máquina e material, vamos entender melhor cada um deles a seguir: 

1. Método

Nesta etapa, o método Ishikawa direciona a investigação sobre como o trabalho está sendo desenvolvido e como isso influencia o problema presente. Assim, a equipe avalia as técnicas utilizadas, a contribuição de cada membro e as regras definidas para a execução. Um exemplo aqui são os processos ineficientes ou não compreendidos por todos. 

2. Medida

Nesta etapa, o método Ishikawa se atenta a como as métricas usadas no desenvolvimento do trabalho podem influenciar no problema. Por exemplo, informações erradas podem levar a avaliações incorretas e isso vai impactar diretamente nos resultados ruins nas obras. 

3. Meio ambiente

No meio ambiente é necessário analisar o entorno em que o trabalho está sendo realizado e como isso pode influenciar o problema. Questões naturais, como chuvas, questões pessoais como saúde mental e física dos colaboradores ou até questões externas, como a economia do país. Tudo isso pode provocar consequências negativas para os processos internos. 

4. Mão de obra

Já em relação à mão de obra é preciso avaliar como os colaboradores envolvidos podem influenciar o problema. Seja por falta de profissionais, rendimento baixo ou até mesmo distribuição ruim das tarefas do time. 

5. Máquina 

Nesta etapa é preciso analisar a influência dos equipamentos e do maquinário em relação ao problema. Consertos, atualizações ou qualquer outro motivo pelo qual essas ferramentas podem estar tornando o processo mais difícil e menos produtivo. Um exemplo é um sistema desatualizado ou máquinas que precisam de manutenção. 

6. Material

Por fim, é fundamental avaliar como os materiais, seja por tipo, qualidade ou quantidade podem estar influenciando o problema. Produtos e insumos ruins vão gerar resultados ruins, e consequentemente não serão atrativos para possíveis vendas. 

Experimente o sistema Obra Prima!

Conheça o software que vai ajudar você a organizar as suas obras e conquistar mais clientes!

Benefícios do Diagrama de Ishikawa

Quando usado da maneira correta, o Diagrama Espinha de Peixe pode trazer diversos benefícios para a organização, como: 

  • Aperfeiçoar os processos e possibilitar uma melhoria contínua;
  • Melhorar o controle da qualidade;
  • Gerar mais envolvimento dos colaboradores na otimização dos processos;
  • Oferecer um melhor entendimento e avaliações dos problemas que podem surgir;
  • Priorizar de maneira mais assertiva as causas dos problemas, proporcionando uma maior produtividade;
  • Permitir uma identificação de problemas e suas causas de forma mais precisa, rápida e assertiva;
  • Tornar as decisões mais assertivas, devido aos detalhes proporcionados pelas análises;
  • Oferecer registros visuais mais intuitivos, o que simplifica futuras análises. 

Sempre que houver algum problema nos processos ou no desenvolvimento de algum projeto, você pode usar esse diagrama.

Passo a passo para montar o Diagrama Espinha de Peixe

É possível elaborar o Diagrama Espinha de Peixe manualmente, com o auxílio de um quadro branco, por exemplo, ou digitalmente, com um software específico.

Geralmente, o primeiro passo é desenhar a estrutura. Para isso, pense em uma espinha de peixe: trace uma reta horizontal, e depois faça setas na diagonal, apoiadas no corpo da reta principal. São necessárias seis retas na diagonal, três embaixo e três em cima.

Depois de desenhada, agora é preciso determinar as categorias que a sua empresa deseja avaliar, isso pode variar de acordo com o ramo em que a empresa atua, mas pode ser assim:

  • Método: qual a maneira que será feita a atividade proposta?
  • Máquinas: quais serão os equipamentos necessários para a execução da atividade?
  • Medida: quais são as métricas utilizadas para fazer a medição do trabalho?
  • Meio ambiente: qual é o local onde será realizado o trabalho?
  • Material: quais são os materiais necessários para fazer a atividade? 
  • Mão de obra: quais são os profissionais envolvidos na execução dessa tarefa? 

Perceba que com essa forma, temos uma espécie de checklist para planejar e fazer todas as atividades previstas no canteiro de obras. 

Como chegar aos 5 porquês?

Os cinco porquês também são uma ferramenta criada para encontrar as raízes dos problemas e pode se tornar um complemento para o Diagrama de Ishikawa. Além disso, o instrumento consiste em perguntas cinco vezes o motivo pelo qual o problema aconteceu. Então, é comum que as pessoas foquem na resolução e deixem de lado a sua causa, facilitando que o problema volte a acontecer, mas com essa metodologia é possível evitar a reincidência. 

O método precisa da participação de todos os envolvidos para análise do motivo para a situação ter acontecido. Assim, com todos os colaboradores ativos no processo presentes, as perguntas podem começar a ser realizadas. Costuma-se começar com questões claras e objetivos, como: por que o problema aconteceu e depois o mediador vai fazer as perguntas seguintes com base nas respostas recebidas. 

Coloque em prática!

Ao usar o Diagrama Ishikawa e os cinco porquês, vai ficar muito mais fácil fazer a gestão de obras e garantir a qualidade dos projetos entregues pela sua empresa. Então, para mais conteúdos como este, acompanhe o blog do Obra Prima e siga a nossa conta no Instagram

Experimente o sistema Obra Prima!

Conheça o software que vai ajudar você a organizar as suas obras e conquistar mais clientes!

Receba conteúdos exclusivos sobre Construção Civil

Fique por dentro de tudo o que acontece na Construção Civil com a melhor newsletter do setor.